Como se altera o aparelho respiratório da grávida

Como se altera o aparelho respiratório da grávida
Imagem: colegioweb.com.br

Com a gravidez ocorre uma série de modificações anatômicas e funcionais que atingem em maior ou menor grau e quase sem exceção todos os órgãos e sistemas. Estas mudanças representam a resposta do organismo materno a uma adaptação e maior demanda metabólica imposta pelo feto. O conhecimento destas modificações tem importância, porque poderiam ser interpretadas erroneamente como desvios patológicos. A seguir, em umComo.com.br serão descritas as alterações respiratórias da grávida.

Passos a seguir:
1

Durante a gravidez, o maior requerimento de oxigênio, determinado pelo feto, provoca mudanças respiratórias significativas.

2

Após a 20ª semana, aumenta o volume-minuto respiratório e, portanto, a ventilação alveolar.

3

A ventilação alveolar representa o ar que entra em contato com os alvéolos, isto é, onde o sangue basicamente adquire oxigênio e solta anidrido carbônico.

4

Este aumento deve-se a um maior volume de ar corrente, com escasso ou nulo aumento da frequência respiratória.

5

A capacidade vital não é modificada, ainda que exista uma redistribuição de seus componentes: a capacidade inspiratória aumenta à custa da reserva expiratória, de modo que o pulmão encontra-se mais colapsado no final da expiração normal.

6

O volume residual e o volume pulmonar total estão reduzidos.

7

Durante a gravidez aumenta o consumo de oxigênio em 20%, ainda que proporcionalmente seja menor que o aumento de sua oferta, que ascende até 60 a 65%, devido ao aumento do volume-minuto respiratório somado às alterações hemodinâmicas.

8

De modo que ocorre uma considerável hiperventilação que muitas vezes faz com que a grávida tome consciência da necessidade de respirar, fato que podemos qualificar como uma pseudo dispneia.

9

Este sintoma não está necessariamente relacionado com o exercício e, de maneira paradoxal, pode aparecer enquanto a grávida se encontra sentada, e não, pelo contrário, enquanto está de pé.

10

Por outro lado, não se pode falar de dispneia da gravidez, já que ficou comprovado que a resistência à respiração torna-se menor durante a mesma.

11

Também a hiperventilação da gravidez faz com que a concentração alveolar de anidrido carbônico seja mais baixa que na mulher grávida.

12

A pressão de CO2 alveolar, que é de 37 a 40 mmHg na mulher não grávida, cai até 31 mmHg nas últimas semanas de gestação.

13

A progesterona participa na diminuição da pressão de CO2 alveolar.

14

Quanto ao tipo respiratório, predomina o tipo costal sobre o abdominal.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como se altera o aparelho respiratório da grávida, recomendamos que entre na nossa categoria de Saúde Familiar.

Conselhos
  • Toda a gravidez deve ter check-ups regulares para prevenir complicações na mãe ou no bebê.
  • Ainda que estas alterações sejam normais, diante de qualquer dúvida ou medo, procure um médico.