Partilhar

Como tratar a meningite bacteriana

Por Paula Cassandra. Atualizado: 16 janeiro 2017
Como tratar a meningite bacteriana

A meningite é uma doença séria que ainda hoje em dia, mesmo com os avanços da medicina, pode levar os pacientes à morte. A rapidez com que o problema é diagnosticado e o tratamento iniciado fazem toda a diferença entre uma pessoa que consegue ou não livrar-se da doença. Por isso, o umComo.com.br vai explicar como tratar a meningite bacteriana para que as pessoas com a suspeita da doença saibam o que fazer.

Também lhe pode interessar: Sintomas da meningite bacteriana
Passos a seguir:
1

Também conhecida como meningite meningocócica, a meningite bacteriana é o caso mais comum da doença e acomete as pessoas quando as suas meninges inflamam por causa de bactérias, que podem ser de três tipos diferentes. São elas a Hemophilus influenzae, a Streptococcus pneumoniae e a Neisseria meningitidis. Elas vivem normalmente no meio ambiente e podem até mesmo estar no aparelho respiratório dos indivíduos, sem que nunca causem danos. O problema é quando ela chega ao cérebro ou a pessoa tem uma ferida na cabeça, facilitando a entrada do agente patológico. Outra razão para a bactéria chegar até ao cérebro é uma anomalia do sistema imunológico.

Como tratar a meningite bacteriana - Passo 1
2

Já as meninges são o conjunto de membranas que tem a função de proteger o sistema nervoso central, entre outros órgãos vitais. Quanto a tratar a meningite bacteriana, em geral, consiste no uso de antibióticos de um ou mais tipos, que devem ser exclusivamente prescritos por um médico. Ao ser identificada a bactéria responsável pelo problema o médico consegue indicar um tratamento mais eficiente. Além disso, conforme a situação do paciente, o especialista pode ainda receitar injeções de corticosteroides, as quais são mais competentes para reduzir a inflamação em casos já avançados.

3

Outra recomendação a pacientes com meningite é que permaneçam em repouso e que bebam muito líquido, inclusive, água, a fim de evitar a desidratação, uma vez que entre os sintomas da doença está o vômito, excesso de suor, febre e falta de apetite. Além disso, o paciente deve seguir à risca o tratamento indicado pelo especialista, já que ele vai escolher o melhor medicamento e ajustar a dose conforme a necessidade do paciente. É importante ainda que a pessoa doente faça o tratamento até o final, mesmo que se sinta melhor antes dos remédios terminarem. Muitas vezes, o paciente para antes da hora porque acha que está curado, mas o problema volta.

4

Levantamentos indicam que quanto antes a doença for diagnosticada e o tratamento medicamentoso iniciado, mais chances o paciente tem de melhorar. Mesmo a diferença de algumas horas em identificar a meningite pode ser fatal, inclusive, em pessoas com mais de 50 anos e crianças. O tratamento precoce também previne possíveis complicações, entre elas, perda da audição, dano cerebral, convulsões, hidrocefalia, miocardite e hemorragias.

Como tratar a meningite bacteriana - Passo 4
5

É necessário saber como prevenir a doença, sendo que, por se tratar de uma inflamação bacteriana, é contagiosa. Assim, quando houver um caso de meningite em creches, escolas e demais lugares onde muitas pessoas frequentam regularmente é importante observar os sintomas da doença para identificar novos casos. Porém, é possível evitar o contágio com bons hábitos de higiene, como lavar as mãos depois de ir ao banheiro, pegar ônibus e de colocar as mãos em demais lugares públicos.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como tratar a meningite bacteriana, recomendamos que entre na nossa categoria de Doenças e Efeitos Secundários.

Escrever comentário sobre Como tratar a meningite bacteriana

O que lhe pareceu o artigo?

Como tratar a meningite bacteriana
1 de 3
Como tratar a meningite bacteriana

Voltar ao topo da página