Como tratar a retenção urinária

Como tratar a retenção urinária

A retenção urinária é uma condição que ocorre quando a bexiga não fica vazia ao urinar, e isto ocorre devido à existência de um bloqueio que impede que o fluxo de urina seja transferido corretamente para a uretra e, de seguida para fora do corpo. São muitas as causas que podem dar lugar a esta condição, desde hiperplasia da próstata até estar originada por algum tipo de lesão nos nervos ou músculos que controlam a função urinária. Para conhecer em detalhes quais são os seus fatores causadores mais comuns e os métodos existentes para a curar, preste atenção ao seguinte artigo de umComo sobre como tratar a retenção urinária.

Vai precisar de:
Passos a seguir:
1

Quando se sofre de retenção urinária e o fluxo de urina não passa corretamente para a uretra, que é o canal pelo qual a urina é expulsada para fora do corpo, é possível que, entre outros, apareçam sintomas como:

  • Dor ou pressão abdominal.
  • Necessidade frequente de urinar e sensação de bexiga cheia.
  • Incapacidade ou dificuldade para urinar.
  • Dor ao urinar.
  • Perdas de urina durante o dia ou à noite enquanto dorme.
  • Presença de sangue na urina.
  • Fadiga, mal-estas geral e náuseas.
2

A retenção urinária é uma condição que se deve tratar medicamente com urgência, e que pode ser uma consequência direta de muitas problemas de saúde, entre os quais encontramos hiperplasia da próstata, obstruções causadas por cálculos ou tumores, estreitamento da uretra, debilidade em um músculo da bexiga, divertículos da bexiga ou a toma de certos medicamentos narcóticos ou antidepressivos. Em função do fator causador, os sintomas da retenção urinária podem ser mais ou menos graves, o que também influencia na escolha do tratamento que o paciente deve iniciar para tratar esta condição.

3

Através de um exame físico completo e e alguns exames como uma análise de urina, uma ecografia, uma cistoscopia, uma análise de sangue, etc, o médico poderá identificar o que está causando a retenção urinária e realizar um diagnóstico individualizado. Dentro dos possíveis tratamentos da retenção urinária, um dos que se utiliza na maioria dos casos é a colocação de um tubo chamado de cateter na bexiga para drenar toda a urina e combater a obstrução. Além disso, isto previne que a urina flua de novo para a bexiga e se originem possíveis infeções.

4

À drenagem de urina explicada anteriormente, é possível que acompanhe a toma de um tratamento farmacológico baseado naqueles medicamentos eficientes para tratar o problema que estiver causando a retenção urinária. Pois, tal como já referimos, o tratamento da retenção urinária dependerá consoante a causa da mesma.

5

Naqueles casos de maior gravidade, pode ser necessário uma intervenção cirúrgica para tratar o problema de saúde ou condição que estiver impedindo que o fluxo de urina passe corretamente para a uretra e, posteriormente, para o exterior.

6

Apesar da retenção urinária ser uma condição que não se possa evitar, uma vez que é fruto de outro problema de saúde, é importante que tenha em conta algumas recomendações que lhe podem ajudar a prevenir infeções que coloquem em risco o bom estado da bexiga. É importante que:

  • Beba água em abundância (2 litros no mínimo) e líquidos durante o dia.
  • Não segure a urina e vá ao banheiro cada vez que sentir vontade.
  • Vá ao médico perante a manifestação de qualquer sintomas descrito anteriormente ou se observar algum tipo de alteração na cor ou odor da urina.
  • Mantenha uma boa higiene íntima e, após fazer as suas necessidades, limpe a zona genital sempre de frente para trás (e nunca ao contrário).
  • Siga uma dieta equilibrada e saudável que mantenha o seu sistema imunitário reforçado.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como tratar a retenção urinária, recomendamos que entre na nossa categoria de Doenças e Efeitos Secundários.