Partilhar

Como tratar a síndrome do pânico

Por Nicolas Santos. Atualizado: 12 dezembro 2019
Como tratar a síndrome do pânico
Imagem: sejaliberto.wordpress.com

A síndrome do pânico está relacionada com comportamentos físicos fora de controle, quando o corpo começa a agir como se estivesse em perigo sendo que não há nenhum perigo iminente. A síndrome do pânico é um fenômeno que ocorre tanto no físico quanto no psicológico e as chances dela acontecer são maiores em indivíduos que já passaram por situações traumáticas, como assaltos, casos de violência, perda de um familiar ou assédio sexual. Geralmente, traumas que ocorreram durante a infância. Neste artigo umComo te diz como tratar a síndrome do pânico, o tratamento deve ser feito com ajuda de um psicólogo mas vamos te apresentar algumas dicas de como torná-lo mais efetivo.

Como prevenir que a crise do pânico ocorra

Para que a síndrome do pânico não se manifeste durante o dia a dia, você tem que saber quais oscilações podem levar a esta crise. Geralmente quando as pessoas passam por essa experiência uma vez podem ficar traumatizadas e acabam limitando se a ficar dentro de casa, com medo de que ela ocorra novamente. Vale lembrar que se privar de suas atividades não é uma boa ideia, é até pior, o auto isolamento faz com que sua mente trabalhe de forma mais defensiva como se estivesse esperando uma crise a qualquer momento e esse tipo de atitude pode acarretar num novo acontecimento.

Os pensamentos que podem acarretar uma crise do pânico estão ligados a pensamentos de desapontamento ou recordações de situações traumáticas que fazem com que o seu corpo entre em "modo defensivo", a pessoa ao perder o controle do corpo perde o controle da mente, por não saber o que está se passando.

Muitos diriam que o correto seria manter os pensamentos positivos mas não é só assim que funciona, todas as pessoas tem os seus momentos de pensamentos sombrios quando estão sozinhas, as vezes. O que é preciso é ter controle da situação, que se obtém a partir da consciência de que a crise do pânico é um "alarme falso" como quando se dispara o sistema de incêndio de um prédio mas não há fogo, e mesmo que não haja fogo o sistema fica ligado por um tempo causando imenso desconforto às pessoas que dentro do prédio estão.

O tratamento da síndrome do pânico

O tratamento dessa crise deve ser sempre acompanhado por um psicólogo ou algum outro profissional desta área, não se limite a conselhos de família ou às informações deste artigo caso você sofra desta crise. Sem contar que, nas mãos de uma pessoa que trabalha com a resolução desses problemas você se sente mais seguro, o que ajuda a prevenir essa síndrome.

Aqui, vou deixar alguns tópicos para que você saiba quais são os principais pilares do tratamento da síndrome do pânico, tópicos que serão explicados caso você inicie um tratamento com um profissional:

  • Contestação de crenças irracionais: Também pode ser conhecida como reestruturação cognitiva, trata-se de observar alguns sintomas que erroneamente tomam a conta da pessoa que sofre da crise e então reformulá-los. As crenças comuns são coisas do tipo "estou perdendo o controle", "estou morrendo", "vou ter um ataque cardíaco" (este ponto é interessante e pode causar muito medo durante a crise, a pessoa pode pensar que está a ter um ataque cardíaco, uma vez que ninguém que passa por esta crise da primeira vez pensa, "ah, deve ser apenas uma crise do pânico").
  • Exposição interoceptiva: Trata-se de expor o paciente a doses pequenas e demonstrativas sobre como a crise do pânico ocorre e alguns de seus sintomas. Este tratamento visa habituar a pessoa aos sentimentos que ocorrem durante a crise do pânico para que caso ela ocorra a pessoa não perca a consciência e possa agir de forma inteligente.
  • Respiração e relaxamento: Nesta fase são ensinados métodos de relaxamento e controle da respiração. É claro que todos sabemos respirar, mas durante a síndrome do pânico pode ocorrer uma disfunção na respiração, que ajuda a pessoa a acreditar que está tendo um ataque cardíaco. O Relaxamento é eficiente pois não é possível que uma mente permaneça ansiosa se o corpo está relaxado.

Dar-se o direito de ser otimista, ainda mais se eu te contar que à vinte anos essa doença não era nem se quer categorizada e os médicos mandavam os pacientes para casa alegando que ele teve apenas um "piripaque". Hoje em dia já existem tratamentos para a síndrome do pânico, portanto, não há pânico, com a ajuda do seu médico ela pode ser resolvida e claro, contar com o seu otimismo e boa vontade ajudam a fazer com que seus sintomas desapareçam. Sobre esta doença também temos um artigo de como a boa alimentação ajuda a tratá-la, confira.

Relacionado: Sensação de desmaio ao dormir, o que pode ser?

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como tratar a síndrome do pânico, recomendamos que entre na nossa categoria de Saúde Mental.

Escrever comentário sobre Como tratar a síndrome do pânico

O que lhe pareceu o artigo?
3 comentários
A sua avaliação:
patrícia Gonçalves
Eu sofro do simdrome de panico eu não consegui fazer nem um tratamento as vez não consigo sair de casa sozinha que eu me sinto mal tontura coração acelerado treme de irá
A sua avaliação:
helga
amei o artigo
Editor umComo.com.br
Oi Helga! Que bom saber que o artigo foi do seu agrado :) Muito obrigada pelo comentário ;)
Prof. Araújo - DF
Uma informação mais transpessoal, isto é, um braço da Psicologia diante de uma visão científica mais espiritualizada, aliás, bem estudada em países de primeiro mundo, informamos que as Síndromes não são doenças e sim sintomas de um acumulado de outros itens físicos ou psicológicos, causando específicos sintomas somáticos ou de alienaçao. Em 45% dos casos estudados e pesquisados, a síndrome do pânico tem ligação de cunho espiritual, pois suas raízes estão em um passado - alguma existência remota ou mesmo mais próxima que plasmando sequelas de atos vividos nessas existências, transferem para o atual corpo somático que habitamos temporariamente. A partir do momento em que passamos a nos conhecer melhor a nós mesmos, muitos danos ou transtornos poderemos evitar, diante da Lei natural de Ação e reação - tudo que semeamos, colhemos. Tudo isso independe de religião, filosofia ou credo.
helga
verdade, eu sofro de SP. E creio q tem algo haver c essa parte de espiritualidade.

Como tratar a síndrome do pânico
Imagem: sejaliberto.wordpress.com
Como tratar a síndrome do pânico

Voltar ao topo da página