Partilhar
Partilhar em:

Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção

Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção

Dificuldade para comer e beber, tosse aguda e febre podem indicar muito mais do que uma simples dor de garganta. Esses sintomas, juntamente com outros, são típicos da coqueluche.

A doença infecciosa é transmissível e atinge o aparelho respiratório de forma rápida e violenta. Nos últimos anos, as ocorrências da coqueluche têm aumentado, causando preocupação da Organização Mundial de Saúde e uma campanha de prevenção bem ampla. Qualquer um pode ser atingido pela coqueluche, mas crianças com menos de dois anos são as mais afetadas.

Se você não está vacinado, a transmissão acontece com o contato direto com o doente, por meio das partículas expelidas na tosse, espirro ou até mesmo falando. Por isso, é importante ficar atento aos sintomas. Nós do umCOMO explicamos tudo sobre a coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção.

Também lhe pode interessar: Bronquiolite: Sintomas e tratamento

Sintomas da coqueluche

A coqueluche começa a se manifestar cerca de 7 a 20 dias após o contato. Seus sintomas acompanham o doente por até 6 semanas e são divididos em três fases. Continue lendo e descubra quais são os sintomas da coqueluche, de acordo com a fase da doença.

Primeira fase: catarral

A doença começa com uma tosse seca acompanhada de coriza, mal-estar e febre. Estes parecem os sintomas de uma gripe comum, não é mesmo? Mas não se engane: tudo isso pode indicar que a coqueluche está chegando e você está vivenciando a primeira fase da doença, chamada de catarral.

Segunda fase: estágio paroxístico

Em duas semanas de sintomas, o estágio paroxístico aparece. Tosses secas e que surgem esporadicamente de forma breve fazem com que o paciente não consiga respirar por um tempo. Após uma crise de tosse, o doente que está com coqueluche consegue respirar, mas faz uma inspiração intensa e profunda, que provoca um som agudo. Esse sintoma também pode ser acompanhado de vômitos.

Dica: conheça alguns truques para acabar com a tosse.

Terceira fase: convalescença

A terceira fase é a de convalescença. A partir da quarta semana, os sintomas regridem e desaparecem completamente. Mas é preciso atenção: se a coqueluche não for tratada corretamente, crianças e idosos podem ter problema graves pulmonares, neurológicos, hemorrágicos e de desidratação.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito rapidamente. Depois de analisar os sintomas, o médico normalmente faz um exame laboratorial e descobre se a bactéria Bordetella pertussis, que causa a coqueluche, está presente no sangue do paciente. Você deve ir ao médico se estiver com tosses prolongadas — ainda mais se o possível doente for uma criança.

Por conta da falta de ar, a pele pode ficar muito vermelha e até azul. A respiração com ruídos e vômito frequente também indicam a presença da bactéria.

Prevenção da coqueluche

A vacina contra coqueluche oferece uma proteção não permanente, mas é indispensável, uma vez que é a melhor técnica de prevenção da coqueluche. Crianças e idosos, que estão no grupo de maior risco de sequelas, devem ser vacinados.

Segundo o Calendário Oficial de Vacinação do Ministério da Saúde, a vacina tríplice clássica, que combate difteria, coqueluche e tétano, deve ser dada aos dois, quatro e seis meses de idade. O reforço deve ser feitos aos 15 meses e aos 15 anos. Depois disso, a pessoa deve tomar vacina a cada dez anos. Adultos e crianças já vacinados têm incidência muito menor da doença.

Dica: tem dúvidas sobre este ponto? Entenda como funcionam as vacinas.

Tratamento

O tratamento da coqueluche inclui isolamento total e respiratório para evitar a transmissão da doença. Isso pode ser feito em casa ou no hospital, sempre com acompanhamento médico. Casos com complicações, que pedem um suporte de oxigênio e alimentação diferenciada, tornam a hospitalização necessária.

Remédios para acalmar a tosse, analgésicos e anti-inflamatórios também aliviam os sintomas da primeira fase. Não são usados xaropes expectorantes e inibidores de tosse durante o tratamento de coqueluche.

Cuidados pós-diagnóstico são simples: o doente deve ficar em ambientes arejados, mas isolados, enquanto durar a fase de transmissão. Ele também precisa se manter longe de outras pessoas. O médico indicará a toma de antibióticos que matam a bactéria e ajudam a recuperar rapidamente, sendo o mais popular a Azitromicina. Líquidos evitam a desidratação e devem ser acompanhados de refeições leves ao longo do dia. A pessoa com coqueluche deve comer em pratos, talheres e beber em copos separados.

Dica: Agora que já sabe tudo sobre a Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção, saiba mais sobre a Azitromicina - Indicações e efeitos colaterais.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se deseja ler mais artigos parecidos a Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção, recomendamos que entre na nossa categoria de Doenças e Efeitos Secundários.

Comentários (0)

Escrever comentário sobre Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção

O que lhe pareceu o artigo?

Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção
1 de 2
Coqueluche - sintomas, tratamento e prevenção