Partilhar

Tipos de Quimioterapia

Por Sara Viega. Atualizado: 16 janeiro 2017
Tipos de Quimioterapia

A quimioterapia ou quimio é um tratamento realizado com produtos químicos para tratar o câncer. A quimioterapia pode ser classificada de diversas formas em função de: O lugar por onde é administrada: normalmente usa-se a via intravenosa. Na maioria das vezes é usado um catéter para ser administrado. Nas últimas décadas começaram a ser desenvolvidos métodos que permitem a administração por via oral. Além disso, existem tratamentos localizados, alguns exemplos são intratecal, intravesical, intracavitário, entre outros. Neste artigo explicamos para vocês os diferentes tipos de quimioterapia, quais são e quando se aplica cada um deles.

Também lhe pode interessar: Como superar a quimioterapia

Quimioterapia adjuvante

Quimioterapia administrada para destruir as células (microscópicas) que podem ter ficado no corpo depois de extirpar um tumor por via cirúrgica. A quimioterapia adjuvante serve para prevenir uma possível reaparição do câncer.

Quimioterapia neoadjuvante

Quimioterapia administrada antes do procedimento cirúrgico. A quimioterapia neoadjuvante pode ser administrada para tentar reduzir o tamanho do câncer. É visível e evidente a diminuição do tamanho do tumor ao aplicar esta quimio.

Quimioterapia de indução

Os pesquisadores descobriram que a melhor forma de curar os pacientes com leucemia linfoblástica aguda, ou LLA, é administrando grandes doses de muitos medicamentos quimioterapêuticos em um prazo curto de tempo. Trata-se de eliminar as células da leucemia de forma rápida antes de que apareça uma resistência aos medicamentos. A terapia é dividida em duas fases: indução de remissão e terapia pós-remissão. A quimioterapia de indução de remissão é administrada para produzir uma remissão completa (desaparecimento completo da leucemia detectada) na medula óssea. Diz-se que uma remissão completa acontece quando menos de 5% dos "blastos" da leucemia permanecem na medula óssea e a contagem sanguínea normal reaparece. Atualmente, mais de 95% das crianças e entre 70 e 80% dos adultos consegue uma remissão completa depois do tratamento inicial com quimioterapia.

Quimioterapia de consolidação

Quimioterapia administrada depois de conseguir a remissão. O objetivo desta terapia é manter a remissão. A quimioterapia de consolidação também pode ser chamada terapia de intensificação. Este termo é usado com frequência nos tratamentos de leucemia aguda.

Quimioterapia de manutenção

Quimioterapia administrada em doses menores para ajudar a prolongar uma remissão. A quimioterapia de manutenção é usada apenas para determinados tipos de câncer, normalmente leucemias linfocíticas agudas e leucemias promielocíticas agudas.

Quimioterapia de primeira linha

Quimioterapia que, graças às investigações e ensaios clínicos, foi determinada como a que possui melhores probabilidades de tratar um câncer determinado. Também pode ser chamada terapia regular.

Quimioterapia de segunda linha

Quimioterapia administrada quando uma doença não responde ou reaparece após a quimioterapia de primeira linha. Os estudos de investigação e ensaios clínicos determinaram que a quimioterapia de segunda linha é eficaz para tratar um câncer que não responde ou reaparece após a quimioterapia regular. Em alguns casos, pode ser chamada terapia de resgate.

Quimioterapia paliativa

A quimioterapia paliativa costuma-se aplicar no câncer que, pelo seu grau de evolução e outras circunstâncias, é considerado pelo oncologista como incurável; o que não quer dizer que ele seja realmente. Sua finalidade, como seu próprio nome indica, não está diretamente focada na cura, mas sim no alívio de sintomas ou atraso de seu aparecimento; a melhoria da qualidade de vida; o aumento do tempo de sobrevivência e a redução do tumor; esses tumores costumam estar relacionados com tudo o que foi dito anteriormente.

Para valorizar esta indicação, além do estado geral e funcional do paciente, sua sintomatologia, seu prognóstico e o interesse que possa ter em receber um tratamento oncológico, o oncologista deve considerar tanto os possíveis efeitos colaterais do tratamento como o benefício esperado em função de tudo isso.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Tipos de Quimioterapia, recomendamos que entre na nossa categoria de Doenças e Efeitos Secundários.

Escrever comentário sobre Tipos de Quimioterapia

O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Luís Cláudio
Muito esclarecedor o texto. Obrigado.
Editor umComo.com.br
Valeu Luís! Continue acompanhando as matérias do umCOMO :)

Tipos de Quimioterapia
Tipos de Quimioterapia

Voltar ao topo da página