menu
Partilhar

O que é violência obstétrica

 
Por Juliana Ribeiro. 26 março 2022
O que é violência obstétrica

A gravidez, o parto e o puerpério são processos que, se não forem gerenciados adequadamente, podem acarretar consequências físicas e psicológicas para a mulher. Por esse motivo, é muito importante que durante todo o processo o atendimento ginecológico e obstétrico recebido pelas gestantes seja absolutamente cuidadoso e respeitoso, pois tanto a saúde da mãe quanto a do bebê devem ser garantidas.

Qualquer erro que prejudique um dos dois durante esses processos é considerado violência obstétrica, termo que vem ganhando popularidade nos últimos tempos e faz parte da violência contra a mulher. Neste artigo do umCOMO explicamos o que é violência obstétrica, quais são as situações em que este tipo de violência se manifesta, para poder identificá-la e denunciá-la.

O que é violência obstétrica

Chamamos de violência obstétrica aquelas más práticas ou condutas, que são realizadas no campo da saúde por profissionais que atendem a mulher na gestação, parto e puerpério, e que por ação ou omissão podem colocar em risco tanto a mãe quanto o bebê, ser violento ou percebido como violento. Esse tipo de violência exercida pode ocorrer tanto fisicamente, na forma de atos inadequados ou não consentidos pelo paciente, quanto psicologicamente, como a humilhação.

Nesse sentido, a violência obstétrica constitui discriminação de gênero, razão pela qual está incluída na violência contra a mulher, visto que implica violação de seus direitos sob várias perspectivas: sexual, reprodutiva e de saúde.

O que é violência obstétrica - O que é violência obstétrica

Exemplos de violência obstétrica

São várias as situações que são contempladas dentro da violência obstétrica vivenciada pelas mulheres durante a assistência à gravidez, parto e puerpério. Como se manifesta a violência obstétrica? Aqui estão os exemplos ​​de violência obstétrica mais notáveis:

  • Abuso físico.
  • Humilhação e abuso verbal.
  • Tratamento infantil, paternalista, autoritário, depreciativo.
  • Insultos verbais, despersonalização ou assédio.
  • Violação de privacidade.
  • Violação de confidencialidade.
  • Obter consentimento involuntariamente ou com falta de informação.
  • Procedimentos autoritários para obrigar o uso de um método contraceptivo.
  • Negação de tratamento.
  • Detenção de mulheres e recém-nascidos em estabelecimentos por incapacidade de pagamento (na saúde privada).
  • Medicalização excessiva.
  • Intervenções dolorosas sem anestésicos.
  • Obrigação de parir em determinadas posições.
  • Falha em atender de forma eficiente ou pontual emergências obstétricas.
  • Impedir o apego precoce do bebê sem justa causa.
  • Alterar o processo natural de parto em risco.

Frases de violência obstétrica

Para identificar a violência obstétrica em sua manifestação como abuso verbal, seguem algumas frases:

  • "Quando você estava gestando não doeu tanto, não reclame."
  • "Vai boba, você não vai ter uma cicatriz de biquíni, não chore."
  • "Suas contrações são ruins."
  • “Eu tive que te cortar porque tinha uma cabeça grande.”
  • "Você não gostou de abrir as pernas? Agora aguenta."
  • "Eu deveria tirar o bebê de você, porque você se comportou muito mal."

Mais exemplos de violência obstétrica

Além disso, alguns exemplos de violência obstétrica habitual durante o atendimento de gestantes que são considerados violência obstétrica incluem:

  • Exames vaginais realizados por mais de uma pessoa.
  • Episiotomia, uso de fórceps e manobra de Kristeller como prática habitual.
  • Curetagem do útero sem anestesia.
  • Procedimentos autoritários para impor a realização de cesariana, sem justificativa médica.
  • Fornecimento de medicamentos abusivos e desnecessários para o parto.

Qualquer outra situação desse sentido que ocorra durante o processo de atendimento médico à gestante ou à mulher durante ou após o parto, é considerada uma forma de violência contra a mulher e será denominada violência obstétrica.

O que é violência obstétrica - Exemplos de violência obstétrica

Causas da violência obstétrica

A violência obstétrica está gradualmente vindo à tona, embora ainda seja amplamente desconhecida. É uma má prática profissional por parte dos trabalhadores de saúde, tanto de forma acidental como voluntária e, embora possa não parecer, há indícios que seja um fenômeno bastante comum entre as gestantes.

São muitas as mulheres que sofreram violência obstétrica de uma forma ou de outra, que se sentiram humilhadas, assediadas ou maltratadas durante suas visitas ao ginecologista ou durante o próprio parto. Mas o que causa a violência obstétrica? Por que agora começou a conscientização sobre a violência obstétrica?

O que é violência obstétrica simbólica

Por se tratar do setor profissional da saúde, muitas mulheres têm considerado esse tipo de prática como algo normal, por isso é um tipo de violência de natureza simbólica. Tudo isso se dá pelo medo de denunciar, o medo de ser julgada por criticar a saúde ou simplesmente por ser tachada de exagerada ou questão hormonal.

O que é violência obstétrica por esgotamento profissional

Quanto ao setor saúde, muitos dos que utilizam imperícia ou ações típicas da violência obstétrica geralmente estão relacionados à síndrome de Burnout ou ao esgotamento profissional. Os níveis de estresse e fadiga podem fazer com que o médico fique frustrado com seu trabalho, o que o leva a realizar o trabalho de forma mecânica que desumaniza os pacientes.

O que é violência obstétrica por falta de treinamento

Outra causa que explica a existência da violência obstétrica é a falta de informação por parte da comunidade de saúde que os faz desconhecer o que esse tipo de comportamento implica. Não ter as ferramentas necessárias para detectar e manejar adequadamente esse tipo de prática contra gestantes, no parto ou puérperas pode desencadear consequências físicas e psicológicas para elas.

Consequências da violência obstétrica

Qualquer forma de violência contra a mulher ameaça sua saúde em diversas áreas: física, sexual e reprodutiva, mental e comportamental. A violência obstétrica pode colocar em risco a saúde materna e fetal. Algumas das consequências da violência obstétrica são:

  • Sangramento vaginal durante a gravidez.
  • Nascimento de bebês prematuros.
  • Aumento do risco de gravidez indesejada.
  • Desconforto físico.
  • Danos psicológicos.
  • Estados de nervosismo, ansiedade, estresse ou depressão.

Se você achou útil este artigo sobre o que é violência obstétrica, recomendamos que continue lendo sobre parto com nossos posts sobre Como se preparar para o parto e Como acelerar o trabalho de parto.

O que é violência obstétrica - Consequências da violência obstétrica

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O que é violência obstétrica, recomendamos que entre na nossa categoria de Saúde Familiar.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
O que é violência obstétrica
1 de 4
O que é violência obstétrica

Voltar ao topo da página