menu
Partilhar

Quais são as consequências da malária

Por Redação umCOMO. Atualizado: 16 janeiro 2017
Quais são as consequências da malária

A malária continua sendo uma doença que provoca estragos principalmente na África Subsaariana. Esta grave doença é produzida por um parasita do gênero Plasmodium que se transmite pela picada de uma fêmea do mosquito Anopheles (mosquito-prego). A forma infectada do plasmódio passa ao sangue e em escassos minutos chega ao fígado, onde se multiplica e amadurece. Em menos de 72 horas rompem-se as células hepáticas chegando à corrente sanguínea. Neste artigo de umComo.com.br contamos para você quais são as consequências da malária.

Também lhe pode interessar: Como tratar a malária

A malária é uma doença que pode ser tratada

A malária ou paludismo é uma doença que, se for detectada a tempo, pode ser tratada. Com um diagnóstico preciso e um rápido tratamento apropriado com medicamentos antimaláricos, um doente de malária pode superar esta grave doença. As doses dos medicamentos vão depender da gravidade da doença, do tipo de parasite que causou a doença e também do sexo e idade do paciente. Por isso, deverá seguir sempre as indicações do seu médico quanto ao tipo de medicamento a tomar, à posologia e à duração do tratamento.

Mas, caso a malária não seja diagnosticada e tratada a tempo, podem ocorrer complicações podendo chegar a ser fatal no caso de P. falciparum. Para saber mais sobre as complicações que esta doença pode gerar, veja a seção seguinte.

Consequências da malária

As sequelas mais graves são produzidas pelo parasita Plasmodium falciparum com picos de febre muito elevados, grandes taxas de parasitismo e graves complicações como:

  • Malária cerebral, os doentes costumam acabar em um estado de coma.
  • Anemia hemolítica. Como é um parasita que infecta os glóbulos vermelhos, em vários processos de ruptura produzirão uma grave anemia dependendo do nível de parasitismo.
  • Hipoglicemia, observada e constatada nos casos mais graves de malária.
  • Complicações pulmonares, como por exemplo provocar problemas respiratórios em pessoas adultas.
  • Falha renal aguda, muito habitual em pacientes com grandes doses de parasitismo devido à hemodiálise acentuada, que se manifesta em uma diminuição da quantidade de urina.

Prevenção da malária

Para prevenir a doença, devem ser tomadas medidas para evitar ao máximo a picada do mosquito responsável pela malária. Neste sentido, é recomendável o uso de roupa de cor clara e de peças que cobram a maior área possível da pele, usando calças e mangas compridas.

Também deve evitar as áreas mais propensas à contaminação da doença como África. O uso de repelentes e de mosquiteiros para dormir são outras das recomendações que deverá seguir se quiser se prevenir da malária. Saiba mais sobre como prevenir a malária, entrando no nosso artigo.

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Quais são as consequências da malária, recomendamos que entre na nossa categoria de Doenças e Efeitos Secundários.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
4 comentários
A sua avaliação:
Maria Marli
Quem teve malária a uns 50 anos atrás e não fez o tratamento correto, pode ficar com sequelas muitos anos depois? meu pai tem de mês em mês uns calafrios, ele disse que um medico disse que é por causa da malária.
celestino miguel cahuwa mega
quanto as consequencias da malaria existem aiinda prevencao da mesma?
joaomario
gostei muito
Editor umComo.com.br
Obrigada pelo comentário, João Mário. Continue acompanhando os artigos do umCOMO!
Neves Andre
A malária é contagiosa?
Editor umComo.com.br
Oi Andre!

A malária não é contagiosa de pessoa para pessoa. Ela é provocada pela picada do mosquito Anopheles quando ele está infetado com um tipo específico de parasita.

Quais são as consequências da malária
Quais são as consequências da malária

Voltar ao topo da página