Partilhar

Cigarro ou maconha, o que é pior?

Por Nicolas Santos. Atualizado: 16 janeiro 2017
Cigarro ou maconha, o que é pior?

A dúvida entre cigarro e maconha é recorrente em muitos aspectos, dentre eles o "qual pode ser considerado mais nocivo para a saúde" surge na cabeça de diversas pessoas, desde usuários, curiosos a pais preocupados.

É comum encontrarmos muitos artigos que se dizem informativos com mais opinião do que dado a respeito deste assunto. Por isso, neste artigo umComo tenta te trazer a resposta mostrando dados e não o que nós achamos a respeito: cigarro ou maconha, o que é pior?

Também lhe pode interessar: Como fazer um chá de maconha

Danos no pulmão Maconha X Tabaco

Segundo uma pesquisa realizada em 2012 pela revista científica norte-americana "Journal of the American Medicinal Association" fumar maconha é menos danoso ao pulmão do que o tabaco. A pesquisa se deu com uma base de dados de fumantes moderados de ambos, num período de 20 anos. Neste período foi possível notar uma perda de capacidade pulmonar entre os tabagistas, enquanto os maconheiros não só não sofreram desta perda, como pelo contrário, ganharam mais capacidade.

Agora como isso se deu, explica Stefan Kertesz, o autor do estudo. Segundo ele o pequeno aumento da capacidade pulmonar dos usuários de maconha se deu através da forma com que ela é fumada. Influenciada por algumas culturas e aspectos.

Ainda assim, não podemos utilizar só este dado como discurso pró-maconha, uma vez que também se encontram, na fumaça da maconha, alguns elementos tóxicos encontrados na fumaça do tabaco, como o monóxido de carbono.

É claro que aqui estamos usando apenas o exemplo em senso estrito. Os usuários estudados, de maconha e tabaco, tratavam-se de usuários moderados. Aqueles que fumam com mais frequência costumam sim apresentar alguns problemas pulmonares. E é claro, não somente pulmonares mas até sociais. Por este motivo, vamos agora enumerar alguns pontos comparativos entre os dois, para que assim fique mais fácil tirar a conclusão por si só.

Maconha

  • Dependentes: Não existe qualquer tipo de dado que comprove uma dependência relacionada com o THC. A dependência causada pelo ato de fumar maconha é inferior em comparação com a cafeína.
  • Efeitos: Pode variar de acordo com o cultivo, causando desde euforia a relaxamento. Os mais conhecidos são: apetite, bom humor, boca seca e vermelhidão nos olhos.
  • Abstinência: Para usuários frequentes, que fumavam de um a três cigarros de maconha por dia é possível encontrar uma fissura: diminuição do apetite, insônia, cansaço, irritabilidade. Segundo estudos da Unidade de Pesquisa em álcool e drogas.
  • Overdose: Não existem relatos de overdose. Para que ela possa ser alcançada seria necessário fumar 700 kg de maconha em até 15 minutos para atingir uma overdose - por este mesmo motivo, não há relatos.
  • Mortes: Não há registros de morte por maconha na literatura médica. De acordo com relatórios do DEA, é fisicamente impossível fumar maconha até a morte.
  • Sequelas: Pode estimular quadros de esquizofrenia, ansiedade, comportamentos psicóticos e pré-determinados.
  • Origem: É natural e não processado. Porém, pessoas mal intencionadas podem adicionar outras drogas na maconha que vendem. Por isso mesmo, o fato dela ser ilegal colabora para que não haja uma fiscalização de qualidade.
  • Benefícios para a saúde: O uso do THC, principal princípio ativo da maconha, é conhecido na medicina. Os seus usos podem se dar para aliviar sintomas do glaucoma, como as náuseas, anorexia, dores crônicas, epilepsia, esclerose múltipla, além de seu benefício efetivo para o tratamento do câncer. Estes benefícios compõem alguns dos muitos que ainda estão a ser estudados.

Tabaco

  • Dependentes: Mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo. Este dado provém de uma pesquisa na Universidade de Washington. Ao todo são cerca de 22 milhões no brasil, segundo o PNAD.
  • Efeitos: Tranquilizante, dependendo do fumo, náuseas e dores de cabeça.
  • Abstinência: A abstinência do tabagismo implica na falta de concentração, insônia, apatia, agressividade, ansiedade e tremores.
  • Overdose: Nada indica que é possível morrer de overdose de cigarros, mesmo que o seu uso cause centenas de complicações.
  • Mortes: Somente no Brasil, 130 mil por ano, segundo dados da ONG Aliança de controle do Tabagismo.
  • Sequelas: Derrames, infarto no miocárdio, câncer de pulmão, boca, pele e laringe; inflamações.
  • Origem: Apenas a nicotina pode ser considerada como natural, vale lembrar que muitas substâncias químicas são misturadas no cigarro. Quando se fuma, não é apenas o tabaco que se ingere mas também alguns mais de 4 mil elementos tóxicos, entre eles o monóxido de carbono, alcatrão, elementos radioativos e reguladores de sabor e fumaça.
  • Benefícios para a saúde: A cotinina, substância derivada do tabaco, é utilizada em tratamentos para Alzheimer, mas quando se fuma não é possível obter este benefício.

Conclusão

Para concluir, gostaria de esclarecer que, sendo natural ou não, nem sempre algo é só benéfico ou só maléfico. Todas as substâncias possuem as suas contraindicações - com excepção talvez da semente de chia, estas sim, são mágicas - e por isso cabe a nós manipulá-las com responsabilidade.

Veja também:

Este artigo é meramente informativo, no umCOMO não temos capacidade de receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Cigarro ou maconha, o que é pior?, recomendamos que entre na nossa categoria de Saúde Mental.

Escrever comentário sobre Cigarro ou maconha, o que é pior?

O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Jeider Damm
Não há bibliografia ou fontes desses dados? Numa pesquisa rápida por alguns estudos científicos, nos damos conta de que muita coisa nesse artigo não confere.

Cigarro ou maconha, o que é pior?
Cigarro ou maconha, o que é pior?

Voltar ao topo da página